domingo, 30 de novembro de 2014

Laranjas

Kama

Jogos

Infidelidade

Horários

Gelado

Fútil

Estranho


Dormir

Calor



Beleza

Alegria

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Assinar de cruz.

Estou numa fase da vida (será revolta pela conjuntura?), em que não facilito algumas falhas que já são interpretadas como normais. 
Se os grandes lá de cima a que chamam governantes, agem mal, na minha qualidade de pequeno, sinto necessidade de dar algum exemplo. 

Não vou em conversas de facilitar para ser o bacano e o "tá-se bem" com assinatura de cruz.



«Dass aquele gajo tem mesmo mau feitio.»  Check !
 

Chuva em som ambiente.



Coisas da noite:
Fobia Social ou Timidez
A fronteira deve ser muito ténue e não identifico a diferença.
Nesta dúvida deve haver resposta para os efeitos, que repercutem-se nas variações acentuadas de humor e mergulhos superficiais no que chamam depressão.
Surge o cerne;  extremamente repentino na mudança do estado de humor, fico expansivo, alegre com picos para sociabilizar, mais falador que o normal, extremamente altivo e confiante, com uma autoestima que me leva a subir ao topo e dar pontapés nas nuvens  - desencadeando o tal autismo que foi adjectivado pela bataneta, e fecho a porta - proibindo alguém sequer de aproximar-se da entrada.

Com uma leve brisa de vento, fico exigente, imprevisível e capaz de enfrentar/confrontar qualquer pessoa.

Sim, estou confuso, eventualmente a medicação ainda não está a fazer efeito, mas é sexta-feira, o sol esta semana vem para ficar, uma sessão de Reiki e meditação vai ajudar qualquer coisa.

Fiquei devaneado com o barulho da chuva à noite.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Déjá Vu



Confirmei esta noite que as duas são minhas filhas.

A mais nova, fez relembrar os tempos de quando a mais velha tinha mesma idade. Em dias de Inverno queria o quentinho da cama dos pais e passava a noite irrequieta a mexer-se como uma tempestade debaixo do edredom.
A mãe, fez turno de não conseguir dormir até 3h pela instabilidade que ela estava. 
A pequena parecia um ciclone na cama. O pai dispensou a patroa para ir dormir noutro quarto e fez o turno das 3h às 8h. Sempre de prevenção para ela não cair da cama abaixo pelo lado contrário. (deve doer...)

Coisas de pais. Depois ao pequeno almoço vê-se a pequena com um sorriso de boa disposição pela noite ter corrido bem, os pais com uma enorme vontade de dar-lhe com o pequeno almoço nas 
 trombas.


E pronto, agora é esperar porque logo à noite deve haver mais tempestade.

O melhor ? é que a mais velha era bem pior e já dorme a noite toda. Isto vai mudar também aqui...
Isto vai passar !! Todos esperamos lá em casa.

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Porque sim !


Dinheiro - sempre o dinheiro.

Embora, estruturante aos poucos tenho a certeza que começa a ser o único combustível de todos. Diz-se por ai, que serve para viver numa sociedade organizada.

E quando passamos o estado de criança lá vêm as relações "matrimoniais":
"prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida."
 Dinheiro


terça-feira, 25 de novembro de 2014

Grato pelo apreço !

Quando sentimos solidão e o vazio que estava a sentir de manhã; foi bom receber por estas vias modernas que são a internet e o telemóvel, as vitaminas que necessitava para ver o sol a brilhar.

Obrigado às 2 Amigas meninas que são Mães de 2 meninas. :))

Beijinhos para as duas, para as v/meninas e cumprimentos para os v/maridos porque estão muito bem servidos.
É bom saber que posso contar convosco para um aconchego no pêlo.

Consciência do quintal.

Um dia, uma das minha melhores amigas teve uma palavra que ainda hoje perdura em mim.
Adjectivou-me de autista, a forma como ela disse, não foi depreciativa, interpretei que vivia na maior parte das vezes no meu mundo, e nem todos tinham a porta aberta para entrar.
Concordei com a imagem de que só entra no meu quintal a quem eu dou o bilhete de autorização para entrada.

O certo é que nos últimos dias, percebo que os bilhetes que disponibilizo são cada vez menos e, gradualmente o quintal vai ficando vazio pelos excessivos critérios de entrada. Agrava-se quando por vezes, quem ainda está no quintal, sou eu que por um motivo, ou, por outro informo que o bilhete já caducou e convido tácitamente a sair.
Aos poucos, começo a olhar à minha volta e percebo que o quintal está cada vez mais vazio.

Uns dias gosto da solidão do quintal, mas em outros, sinto que deveria começar a emitir mais bilhetes para a entrada no meu espaço.

A solidão começa aqui.


segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Frase do dia - RFM

« não se compram carros à noite"

Na rádio RFM fizeram uma analogia sublime:

« Não se arranja mulher para casar à noite numa discoteca a dançar »

Confirmo a veracidade desta frase, fiz alguns test drive na discoteca e nunca comprei nenhum dos carros.


Sintonia do ego.

Quando duas pessoas têm personalidades de ego inflado e na noite aparecem os copos, às vezes o resultado acaba por não ser o pretendido para os dois.
Ainda bem. Foram irradiados os inconvenientes morais do dia seguinte.

sábado, 22 de novembro de 2014

Dúvida de Sexta à Noite

Faço a mala para ir de fim-de-semana amanhã, ver o mar, comer peixe fresco,  ver futebol no estádio ou fico por casa à espera de ser segunda-feira ?
A noite daqui a pouco vai responder.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Excesso desproporcional

Ontem, indo na corrente do desgaste emocional do dia sobre mim, à hora do jantar e após vários avisos para ficar sentada, com postura  e comer a refeição com modos. Num dos avisos, perguntei se achava bem retirar batatas fritas com óleo e colocar a mão directamente nas batatas da travessa, quando ainda não tinha comido as batatas que tinha ainda no seu prato.
Disse que não tinha tirado batatas com a mão. 
 Fiz-lhe uns olhos de meter medo e perguntei novamente: Não acabaste de tirar batatas cheias de óleo com a mão agora da travessa ? e, ainda ajeitaste o cabelo para trás das orelhas com as mãos cheias de óleo, quando há meia hora tomaste banho ? 

Faz novamente a negação: Impulsividade agressiva da minha parte em levantar-me e dar-lhe uma chapada repentina e surpreendente.

Resultado: Ela chorou, eu arrependi-me e saí da sala de jantar para ir dar uma volta dentro de casa e respirar fundo, porque estava consciente do excesso desproporcional que efectuei.

Até ao deitar o ambiente ficou sereno e pedi desculpa à filha. Justifiquei a razão do meu gesto  e tudo ficou bem até ao deitar com um forte abraço e um beijo. 

Durante a noite os fantasmas do arrependimento não se foram embora. Agravaram-se porque ela acordou a meio da noite para ir à casa de banho. Acompanhei-a, fiquei o resto da noite na cama dela de olhos abertos.
 Não quero ser um castrador na educação, repercutir gestos do passado que ainda hoje cá vivem.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Dass dass dass

Tenho um sangue de merda.
O fim de semana aproxima-se e já tenho o veneno entranhado a circular novamente.
Hoje, foi mais um telefonema, trocas de sms´s  e começo a passar-me comigo mesmo por não mudar.
Começo a ter algumas certezas que o ADN de meu pai e da minha mãe, fizeram esta mistura de merda. O meu pai um Richard Gere de poiso em poiso e a minha mãe o feitio de ser um centro de gravitação.
Gostava de me formatar como um disco em certas coisas.

Placebo Budista


«Muitas pessoas acreditam que o desenvolvimento material é o verdadeiro sentido da vida humana, mas podemos ver que não importa quanto desenvolvimento material exista no mundo, ele nunca reduz o sofrimento e os problemas humanos. Em vez disso, ele frequentemente faz com que os sofrimentos e os problemas aumentem portanto, ele não é o verdadeiro sentido da vida humana.
A iluminação interior de sabedoria que é permanentemente livre de toda aparência equivocada e cuja função é conceder paz mental para o nosso ser que é repercutido para os outros.»



quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Festa da almofada !

A patroa chegou a casa às 21h do trabalho (espero eu... :) ).
Recolhi as herdeiras nas escolas às 17h e desde então foi uma casa sem regras !
Apenas imposição para o jantar à hora certa e acompanhamento dos trabalhos de casa da mais velha. De resto, foi um final do dia com tudo de pernas para o ar aqui em casa. 

Almofadas do tecto para o chão e do chão para o tecto. 

Por mim, e por elas a patroa pode ficar mais vezes em horas extraordinárias. 
Gostámos !!! :PP

Jornalismo alterou o Direito



Consta num diário um artigo, em que coloca a Ministra da Justiça no píncaros pela famosa investigação a decorrer. Que ela teve e coragem de colocar as mãos no vespereiro. Pensei que nestas coisas era o MP através do DCIAP a fazer correr os trâmites da acção penal por ser o único legitimado. Mas sendo aquele jornal de referência nacional (ou foi), fiquei a saber que afinal foi a Ministra da Justiça a meter as mãos na massa e, o jornal até adjectivou a senhora Ministra de "justiceira".  O jornalismo neste país, cada vez está com melhor qualidade.